Povos Tradicionais News

Povo Pataxó ocupa plantação de eucaliptos e busca recuperar suas terras no sul da Bahia

Em 22 de junho, um grupo de quase 200 indígenas Pataxó ocupou uma plantação de eucaliptos dentro de seu território demarcado na Bahia, incendiando as árvores. A retomada ocorre num contexto de crescente resistência à expansão dos eucaliptos na Bahia e deflagra a frustração dos povos indígenas com a lentidão do processo para ganhar plenos direitos legais sobre suas terras.

Projeto de mina de potássio ameaça povos indígenas na Amazônia

Mineradora de capital canadense finalmente deu início a um processo de consulta aos indígenas que vivem na área – mais de uma década depois de chegar à região e começou a prospectar potássio. A Potássio do Brasil prometeu empregos e prosperidade ao município de Autazes, mas as comunidades indígenas Mura temem que a mina possa poluir os rios, matando os peixes dos quais dependem para sobreviver.

Investigação liga cadeia de fornecimento de frango na Europa a abusos aos direitos indígenas no Brasil

Nova investigação estabeleceu uma ligação entre as redes de supermercados, fast food e marcas de comida para pets da Europa com a fazenda Brasília do Sul, de 9.700 hectares, que se tornou sinônimo de abusos aos direitos indígenas no Mato Grosso do Sul. Brasília do Sul abrigava um grupo de indígenas Guarani-Kaiowá, que foi expulso à força nos anos 1950 para abrir caminho ao desenvolvimento agrícola.

Tensões na Amazônia maranhense opõem indígenas e quilombolas ao avanço do progresso predatório

A Baixada Maranhense é uma região rica em recursos naturais, explorados de forma sustentável por comunidades tradicionais. O território é impactado pelo agronegócio, mineração e siderurgia, escoados no complexo portuário de São Luís. Nos últimos anos, as tensões entre as comunidades e o avanço do progresso predatório têm se intensificado na região. Terras e campos naturais são mais cobiçados por pecuaristas, criadores de búfalos e grandes projetos de infraestrutura.

História nos muros: em Manaus, grafite expõe as raízes indígenas da cidade

Grafiteiros estão pintando murais que contam a história dos povos indígenas e homenageiam sua cultura na capital do Amazonas, o estado brasileiro com a maior população indígena. Lideranças dizem esperar que o movimento aumente a visibilidade dos indígenas que vivem nas cidades, que costumam enfrentar pobreza, insegurança habitacional e o estigma que desencoraja muitos de preservar sua cultura e identidade.

Quilombolas da Amazônia lutam para manter a herança africana em meio à floresta

No século 19, revoltosos da Cabanagem refugiaram-se em lugares remotos do Pará, onde criaram comunidades que hoje se empenham em manter a posse de suas terras. Depois de sofrer com impactos na caça e na pesca decorrentes da construção da hidrelétrica de Tucuruí, os quilombolas agora se veem envoltos em conflitos de terra com empresas associadas à extração do óleo de palma.

Perda florestal na Amazônia é 17 vezes menor em Terras Indígenas que em áreas não protegidas

Terras Indígenas, Territórios Quilombolas e Unidades de Conservação são as áreas que mais contribuíram com a preservação e regeneração da Amazônia Legal nos últimos anos, aponta artigo. O estudo também mostra que territórios indígenas e quilombolas demarcados contribuíram de duas a três vezes mais para a regeneração da vegetação nativa entre 2012 e 2017.

Modelo lúdico e descentralizado de educação climática ganha força no Brasil

O Mural do Clima, um modelo de oficina pedagógica criado na França e replicado em mais de 50 países, está levando conhecimento científico a milhares de brasileiros sobre os impactos e possíveis soluções para a crise climática. Sua principal ferramenta didática é um jogo de 42 cartas (versão adulta) ou 15 cartas (versão infanto-juvenil), que demonstra a relação de causas e efeitos das mudanças no clima.