Vida Selvagem News

40% dos anfíbios no mundo estão ameaçados de extinção; 200 espécies no Brasil

Levantamento global de 8 mil espécies de anfíbios feito pela IUCN revelou que 40% delas estão com algum risco de extinção: 2.873 espécies no total. Desmatamento e fungos letais já eram apontados como causas do declínio, mas agora biólogos ressaltam o papel da crise climática: altas temperaturas e baixa umidade afetam a respiração dos anfíbios, que é feita em parte pela pele.

No Mato Grosso do Sul, mel ajuda a salvar o raro tatu-canastra

No MS, tatus-canastra foram vistos destruindo colmeias de abelhas em busca de larvas, causando perdas econômicas aos apicultores e consequentes mortes por retaliação. Uma ONG promove a coexistência entre apicultores e tatus-canastra certificando os apicultores que vendem um mel “amigo” dos tatus.

Aves x eólicas: o desafio de conciliar energia limpa com preservação na Caatinga

Fonte renovável, barata e limpa, a energia eólica tem recebido grandes investimentos e alterações na legislação que facilitam sua instalação – às vezes fazendo vista grossa nos licenciamentos ambientais. O problema é que muitos parques eólicos são instalados em áreas onde vivem espécies raras de aves da Caatinga, sujeitas a colisões com as pás das turbinas.

Como mudanças na Lei da Mata Atlântica podem ameaçar o fornecimento de água no Brasil

Em entrevista à Mongabay, Malu Ribeiro, diretora de políticas públicas da SOS Mata Atlântica, fala sobre a Medida Provisória 1150, que tramita no Congresso Nacional. A MP prevê alterações na Lei da Mata Atlântica, a única a proteger um bioma brasileiro; uma delas é a permissão para desmatar florestas primárias e florestas em estágio avançado e médio de regeneração.

O que o silêncio das rãs na Mata Atlântica tem a ver com o desmatamento na Amazônia

Estudo mostra que, nas regiões degradadas da Amazônia, diminuiu a quantidade de água evaporada e transportada pelos chamados rios voadores, impactando a biodiversidade da Mata Atlântica. Uma das consequências dessas mudanças foi a seca de 2014 na região Sudeste, que coibiu o período reprodutivo das rãs-de-corredeira (Hylodes sazimai), endêmicas de quatro municípios do sul de Minas Gerais e São Paulo, colocando a população em declínio.